Conecte-se conosco

A Boa do Dia

Série vagalume completa 50 anos!!!

Publicado

em

São Paulo, novembro de 1976. Marcos Rey (1925-1999) estava em um supermercado, acompanhado da mulher, Palma, quando, na hora de pagar as compras, flagrou trechos de uma conversa no caixa ao lado.

“O que você está achando dessa novela que acabou de estrear?”, perguntou uma moça, referindo-se à história do trambiqueiro que se passava por milionário para dar um golpe.

O autor de Tchan, a Grande Sacada, embora estivesse de costas, conseguiu ouvir a resposta da balconista: “É boa. Mas é muito lenta!”.

Ao chegar em casa, o autor da tal novela “boa, mas muito lenta” começou a mexer nos capítulos já escritos. Cortou uma cena aqui, mudou um diálogo ali. Quinze dias depois, o telefone de sua casa tocou.

Era Roberto Talma (1949-2015), diretor de teledramaturgia da Tupi. “Pô, Marcos, o que é que houve? Que melhorada você deu na novela!”, elogiou. “A crítica daquela balconista salvou meu emprego!”, brincou o autor em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo de 4 de setembro de 1983.

Anúncios

Uma carreira de sucesso

Mas, no começo dos anos 1980, recebeu um convite que mudaria sua carreira: escrever romances infantojuvenis para a Vaga-Lume.

“Houve muita resistência por parte dele”, conta a editora Carmen Lúcia Campos, que trabalhou por mais de 20 anos na Ática, entre a década de 1980 e o início dos anos 2000.

“Nunca tinha escrito para o público juvenil e seus temas adultos eram proibidos para menores”.

Seu primeiro livro na coleção foi O Mistério do Cinco Estrelas (1981). Em apenas 15 dias, esgotou a tiragem de 200 mil exemplares. Logo, vieram outros: O Rapto do Garoto Dourado (1982), Um Cadáver Ouve Rádio (1983), Sozinha no Mundo (1984)…

Não por acaso, é o recordista em títulos da Vaga-Lume: 16, sendo um deles, O Menino que Adivinhava (2000), pela Vaga-Lume Júnior, selo derivado surgido em 1999. Só O Mistério do Cinco Estrelas, segundo estimativa do editor Jiro Takahashi, teria vendido entre dois e três milhões de exemplares.

Anúncios

“O autor precisava cativar seu público até a página sete”, explica ele, um dos idealizadores do projeto. “Se a história demorasse a decolar, as chances de o leitor se cansar dela eram grandes”.

Marcos Rey foi o primeiro autor especialmente convidado para escrever para a coleção. Até então, a Vaga-Lume só publicava títulos que já tinham sido lançados por outras editoras.

É o caso de O Escaravelho do Diabo, de Lúcia Machado de Almeida (1910-2005). Um dos best-sellers da coleção, foi publicado originalmente pela revista O Cruzeiro, entre 10 de outubro e 26 de dezembro de 1953, e adaptado para o cinema em 2016.

“A Vaga-Lume seguia uma fórmula imbatível de sucesso: livros escritos para o leitor jovem, com personagens jovens, se deparando com questões típicas da juventude. Textos leves, com muita aventura, mistério e humor”, sintetiza Carmen Campos.

“A coleção fez gerações de jovens descobrirem o prazer da leitura.”

Anúncios
O escritor Marcos Rey e a mulher, Palma
Legenda da foto,O escritor Marcos Rey e a mulher, Palma

A Ilha Perdida vendeu 5 milhões de livros

O título que inaugurou a Vaga-Lume, há 50 anos, foi A Ilha Perdida (1973), de Maria José Dupré (1898-1984). Publicada pela Brasiliense em 1944, é a recordista da coleção: 5 milhões de exemplares.

Na pesquisa que fez para seu doutorado, À Sombra da Vaga-Lume (2007), com mais de 200 alunos do Curso de Letras da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Cátia Toledo Mendonça constatou que A Ilha Perdida é o título mais amado, ou lembrado, da coleção.

“Os textos da Vaga-Lume encantam gerações há 50 anos. Mesmo assim, não eram estudados pela academia. Há preconceito em relação à literatura de entretenimento”, admite a doutora em Letras.

“Vários entrevistados declararam ter começado a gostar de ler por causa da Vaga-Lume”.

No mesmo ano de A Ilha Perdida, a Ática lançou mais três volumes: Cabra das Rocas, de Homero Homem (1921-1991); Coração de Onça, de Ofélia (1902-1986) e Narbal Fontes (1899-1960); e Éramos Seis, também de Maria José Dupré.

Alguns livros, como Éramos Seis, e O Feijão e O Sonho (1981), de Orígenes Lessa (1903-1986), fizeram tanto sucesso que ganharam adaptações para a TV.

Anúncios

Só Éramos Seis já foi adaptada cinco vezes: em 1958, pela Record; em 1967 e 1977, pela Tupi; em 1994, pelo SBT; e em 2019, pela TV Globo.

Cada volume tinha em torno de 120 páginas e trazia um suplemento de trabalho com proposta lúdica. Em geral, a Ática lançava quatro títulos por ano.

Mas, houve época em que, dependendo da demanda, foram lançados só dois ou até cinco. O nome do mascote da coleção, Luminoso, foi escolhido através de concurso. O vencedor foi um funcionário da editora que trabalhava no Rio de Janeiro.

Fonte

Anúncios

A Boa do Dia

Menina corajosa, de 6 anos, corre para casa em chamas para salvar sua mãe e seus irmãos adormecidos.

Publicado

em

Uma corajosa estudante foi elogiada por seu raciocínio rápido depois de entrar correndo na casa de sua família em chamas para salvar sua mãe e irmãos adormecidos.

Olivia Patterson, de seis anos, estava brincando ao ar livre com uma amiga quando percebeu que sua casa geminada em Riccall, North Yorkshire, estava em chamas.

Coragem

Ela correu para dentro da propriedade onde encontrou sua mãe Laura, 29, dormindo no sofá junto com seus irmãos Joel-James, um, e Tiffany, dois. Graças às ações de Olivia, os três foram acordados e conseguiram escapar ilesos do incêndio .

A avó de Olivia, Sadie Gelder, 54, expressou imenso orgulho pela jovem ‘incrível’ por resgatar sua família do incêndio. “Estamos absolutamente orgulhosos dela. Ela tem TDAH, então tem sido absolutamente incrível. Não podemos acreditar que Olivia libertou Laura – ela tem seis anos e correu em um prédio em chamas”, disse ela.

O incêndio começou na casa do vizinho de Laura no dia 4 de abril e rapidamente se espalhou pelo andar de cima de sua propriedade de três quartos. Uma investigação sobre a causa do incêndio está em andamento, mas suspeita-se que a culpa possa ser de um carregador de telefone.

Fonte

Anúncios
Continue lendo

A Boa do Dia

Pague o quanto puder: restaurante faz sucesso pela forma que cobra a comida!

Publicado

em


O restaurante de Gloucestershire
, na Inglaterra, está repensando as relações com clientes, fornecedores e toda a economia alimentar para alimentar um ambicioso modelo de “pague conforme puder” que alimenta todos os que chegam, independentemente da capacidade de pagar.

Os números surpreendem

No ano passado, a Mesa Longa alimentou cerca de 20 000 pessoas a preços abaixo do custo – muitas delas gratuitamente, sem perguntas – ao mesmo tempo que resgatou 3,4 toneladas de alimentos destinados ao lixo e pagou aos fornecedores locais preços justos pelo resto.

Nenhum trabalho no restaurante é feito por voluntários. O dinheiro foi suficiente para empregar 22 funcionários a tempo parcial e a tempo inteiro com pelo menos o salário real de subsistência.

Nossa prioridade

“Somos, na nossa forma mais simples, um restaurante”, diz Will North, gerente geral do The Long Table. “Mas na verdade o que somos é um restaurante incrível onde priorizamos ser um empregador com salários dignos reais. Além disso, nós priorizamos os tipos de fornecedores que não apenas priorizam o planeta, mas também as pessoas.

Fonte

Anúncios
Continue lendo

A Boa do Dia

Bebê encontrada em cima de árvore em Gaza é adotada por pediatra e está linda.

Publicado

em

Com alguns dias de vida e desesperadamente magra, a bebê Malak, foi encontrada em uma árvore, depois que sua casa foi destruída.

A pequena foi levada ao Hospital dos Emirados, na cidade de Rafah , no extremo sul de Gaza . Sua família foi dada como morta, então os médicos a chamaram de “Desconhecida”.  

Acesse nosso canal no YouTube

Novo destino

Hoje, a gordinha de 6 meses é a estrela das enfermarias onde sua tutora de fato, Amal Abu Khatleh, 32 anos, trabalha como pediatra. Enquanto Abu Khatleh carrega Malak, que significa anjo em árabe, pelas instalações. Enquanto caminha ganha beijos e abraços dos membros da equipe.

Um verdadeiro Milagre

Pouco depois de ela ter sido levada ao Hospital Al-Shifa , no norte de Gaza, para tratamento, o Dr. Nasser Bolbol, chefe da unidade neonatal, disse à NBC News que, com base no cordão umbilical, ele acreditava que Malak tinha apenas 2 dias de vida. 

Anúncios

Bolbol acrescentou que ele e seus colegas pensaram que ela havia sido capturada por um anjo, o que inspirou seu nome. “Quando vejo esse bebê sem familiares, fico muito triste. Muito triste”, disse ele, parado ao lado da incubadora.  

O caso tocou muito toda a equipe do hospital e foi Amal Abu Khatleh, de 32 anos, a responsável por dar uma segunda chance para a bebê. A pediatra desenvolveu um vínculo com a criança ao longo do tratamento. “Quando contei aos meus pais, eles ficaram muito entusiasmados com a ideia e disseram que não havia problema”, contou a médica.

Fonte

Continue lendo

Destaques