Conecte-se conosco

A Boa do Dia

De viciado em drogas à jardineiro: ele criou tijolos de algas e ganhou reconhecimento mundial.

Publicado

em

Enquanto os turistas que visitam as praias mexicanas reclamam das pilhas de algas malcheirosas, um jardineiro mexicano considerou que era algo como um presente. Seu nome é Omar de Jesús Vazquez Sánchez. Ele está levando as algas para longe dos aterros e para um forno, onde faz blocos que passam pela regulamentação como material de construção.

Recentemente Omar, fundou a SargaBlock para comercializar os tijolos, que estão sendo destacados pelo Programa de Desenvolvimento da ONU como um golpe de genialidade e uma solução sustentável para um problema ambiental atual.

História de superação

Sua história começa em 2015 quando, como qualquer trabalhador experiente, ele descobriu que pessoas ricas estavam presas a um trabalho que não queriam fazer. Neste caso, estava limpando o sargaço nas praias da Riviera Maya.

As drogas

Omar cresceu na pobreza, imigrou para os Estados Unidos quando criança para se tornar um diarista e, eventualmente, abandonou a escola e se tornou um viciado em drogas. 

Seu tempo se sentindo indesejado como viciado e imigrante deu a ele uma perspectiva única sobre as algas fedorentas.

“Quando você tem problemas com drogas ou álcool, você é visto como um problema para a sociedade. Ninguém quer nada com você. Eles desviam o olhar”, disse Omar ao Christian Science Monitor em uma entrevista traduzida

Anúncios

Sua equipe de limpeza forneceu trabalho para 300 famílias, e não demorou muito para que ele descobrisse que o sargaço poderia ser usado para fazer blocos. 

Casa de tijolos feita de sargaço – Crédito: Emily Mkrtichian para PNUD México

Reconhecimento

O Programa de Desenvolvimento da ONU selecionou o trabalho de Omar para ser apresentado em sua transmissão global do Accelerator Lab para alertar o mundo sobre seu valor e engenhosidade.

Tijolos Sargablock – por Emily Mkrtichian para o PNUD México

Existem todos os tipos de poluentes ou cargas naturais que poderiam ser usados ​​na construção, e o PNUD esperava que, ao compartilhar a visão de Omar sobre o futuro do problema do sargaço no Caribe, isso inspiraria outros a agir de maneira semelhante.

Fonte

A Boa do Dia

Menina corajosa, de 6 anos, corre para casa em chamas para salvar sua mãe e seus irmãos adormecidos.

Publicado

em

Uma corajosa estudante foi elogiada por seu raciocínio rápido depois de entrar correndo na casa de sua família em chamas para salvar sua mãe e irmãos adormecidos.

Olivia Patterson, de seis anos, estava brincando ao ar livre com uma amiga quando percebeu que sua casa geminada em Riccall, North Yorkshire, estava em chamas.

Coragem

Ela correu para dentro da propriedade onde encontrou sua mãe Laura, 29, dormindo no sofá junto com seus irmãos Joel-James, um, e Tiffany, dois. Graças às ações de Olivia, os três foram acordados e conseguiram escapar ilesos do incêndio .

A avó de Olivia, Sadie Gelder, 54, expressou imenso orgulho pela jovem ‘incrível’ por resgatar sua família do incêndio. “Estamos absolutamente orgulhosos dela. Ela tem TDAH, então tem sido absolutamente incrível. Não podemos acreditar que Olivia libertou Laura – ela tem seis anos e correu em um prédio em chamas”, disse ela.

O incêndio começou na casa do vizinho de Laura no dia 4 de abril e rapidamente se espalhou pelo andar de cima de sua propriedade de três quartos. Uma investigação sobre a causa do incêndio está em andamento, mas suspeita-se que a culpa possa ser de um carregador de telefone.

Fonte

Anúncios
Continue lendo

A Boa do Dia

Pague o quanto puder: restaurante faz sucesso pela forma que cobra a comida!

Publicado

em


O restaurante de Gloucestershire
, na Inglaterra, está repensando as relações com clientes, fornecedores e toda a economia alimentar para alimentar um ambicioso modelo de “pague conforme puder” que alimenta todos os que chegam, independentemente da capacidade de pagar.

Os números surpreendem

No ano passado, a Mesa Longa alimentou cerca de 20 000 pessoas a preços abaixo do custo – muitas delas gratuitamente, sem perguntas – ao mesmo tempo que resgatou 3,4 toneladas de alimentos destinados ao lixo e pagou aos fornecedores locais preços justos pelo resto.

Nenhum trabalho no restaurante é feito por voluntários. O dinheiro foi suficiente para empregar 22 funcionários a tempo parcial e a tempo inteiro com pelo menos o salário real de subsistência.

Nossa prioridade

“Somos, na nossa forma mais simples, um restaurante”, diz Will North, gerente geral do The Long Table. “Mas na verdade o que somos é um restaurante incrível onde priorizamos ser um empregador com salários dignos reais. Além disso, nós priorizamos os tipos de fornecedores que não apenas priorizam o planeta, mas também as pessoas.

Fonte

Anúncios
Continue lendo

A Boa do Dia

Bebê encontrada em cima de árvore em Gaza é adotada por pediatra e está linda.

Publicado

em

Com alguns dias de vida e desesperadamente magra, a bebê Malak, foi encontrada em uma árvore, depois que sua casa foi destruída.

A pequena foi levada ao Hospital dos Emirados, na cidade de Rafah , no extremo sul de Gaza . Sua família foi dada como morta, então os médicos a chamaram de “Desconhecida”.  

Acesse nosso canal no YouTube

Novo destino

Hoje, a gordinha de 6 meses é a estrela das enfermarias onde sua tutora de fato, Amal Abu Khatleh, 32 anos, trabalha como pediatra. Enquanto Abu Khatleh carrega Malak, que significa anjo em árabe, pelas instalações. Enquanto caminha ganha beijos e abraços dos membros da equipe.

Um verdadeiro Milagre

Pouco depois de ela ter sido levada ao Hospital Al-Shifa , no norte de Gaza, para tratamento, o Dr. Nasser Bolbol, chefe da unidade neonatal, disse à NBC News que, com base no cordão umbilical, ele acreditava que Malak tinha apenas 2 dias de vida. 

Anúncios

Bolbol acrescentou que ele e seus colegas pensaram que ela havia sido capturada por um anjo, o que inspirou seu nome. “Quando vejo esse bebê sem familiares, fico muito triste. Muito triste”, disse ele, parado ao lado da incubadora.  

O caso tocou muito toda a equipe do hospital e foi Amal Abu Khatleh, de 32 anos, a responsável por dar uma segunda chance para a bebê. A pediatra desenvolveu um vínculo com a criança ao longo do tratamento. “Quando contei aos meus pais, eles ficaram muito entusiasmados com a ideia e disseram que não havia problema”, contou a médica.

Fonte

Continue lendo

Destaques