Connect with us

Ciência e saúde

Yoga: como ela pode ajudar a aliviar o estresse e ainda melhorar a memória

Published

on

Você sabia? Parece que a yoga disponibiliza muito mais do que apenas paz de espírito. Para falar a verdade, ela pode alterar nosso DNA, melhorando a absorção de nutrientes e prevenindo doenças crônicas. Mas não é só isso.

A prática a yoga pode sim ajudar na nossa memória. Pelo menos é o que diz um estudo do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein. A pesquisa envolveu 42 mulheres idosas que foram submetidas a uma ressonância magnética. Metade delas praticavam hatha-yoga e a outra não. Todas foram escolhidas segundo condições parecidas de idade, escolaridade e saúde.

Publicado na revista Frontiers in Aging Neuroscience, viu-se que as idosas praticantes tinham há pelo menos oito anos um córtex pré-frontal mais espesso do que as não praticantes. Isso fez com que os cientistas se empolgassem, pois o exercício talvez possa ajudar na retardação da degeneração cerebral.
yoga-memoria

Mulher praticando yoga. Você sabia que ela pode ajudar na sua memória?

yoga-degeneracao

A prática da yoga pode ajudar a retardar a degeneração cerebral.

yoga-para-a-memoria-e-o-estresse

Praticar yoga é uma forma de relaxar e possivelmente melhorar a memória

yoga-melhoras-vida

Leve uma vida mais leve praticando yoga e melhore sua memória

De qualquer forma, ainda não há comprovação. Novos estudos deverão ser iniciados, de preferência de longa duração. As pessoas deverão ser analisadas antes mesmo de começarem a fazer a yoga.

Todo esse estudo foi realizado pela Massachusetts General Hospital–Harvard Medical School, da Universidade Federal do ABC e do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (CEPEUSP).

E aí? Ficou com vontade de iniciar a yoga? Lembrando que beber água pode ajudar e muito na memória também.

Fotos: Reprodução.

Fonte: Hypeness.

Ciência e saúde

Alerta: ficar acordo após a meia noite traz sérios danos à saúde.

Published

on

Muitas evidências mostram que a falta de sono causa distúrbios a longo prazo tanto para a saúde física como mental. Isso acontece porque a mente humana funciona de maneira diferente quando permanecemos acordados à noite. 

Depois da meia-noite, as emoções negativas tendem a atrair mais nossa atenção do que as positivas, as ideias perigosas crescem em apelo e as inibições desaparecem.

Uma pesquisa publicada na Frontiers in Network Psychology acham que o ritmo circadiano humano  está fortemente envolvido nessas mudanças críticas na função.

Os sistemas cerebrais funcionam de maneira diferente após o anoitecer.

A chamada  ‘Mente depois da meia-noite’, sugere que o corpo humano e a mente humana seguem um ciclo natural de 24 horas de atividade que influencia nossas emoções e comportamento.

Em suma, em certas horas, nossa espécie tende a sentir e agir de certas maneiras. Durante o dia, a atividade cerebral são sintonizados com a vigília. Mas à noite, nosso comportamento usual é dormir.

Do ponto de vista evolutivo, isso, é claro, faz sentido. Os humanos são muito mais eficazes na caça e na coleta à luz do dia e, embora a noite seja ótima para descansar, os humanos já corriam maior risco de se tornarem caçados.

E hiperfoco no negativo pode alimentar um sistema de recompensa/motivação alterado, tornando uma pessoa particularmente propensa a comportamentos de risco.

Adicione a perda de sono à equação e esse estado de consciência só se torna mais problemático.

O suicídio, surge como uma fuga da solidão e da dor. E as substâncias ilícitas ou perigosas também são mais consumidas pelas pessoas à noite. 

Alguns desses comportamentos podem ser explicados pelo débito de sono ou pela cobertura que a escuridão oferece, mas provavelmente também há mudanças neurológicas noturnas em jogo.

Fonte: Frontiers in Network Psychology . 

Continue Reading

Ciência e saúde

Ela mudou sua vida gradualmente, não de uma vez. E funcionou!

Published

on

Newman não tentou uma revisão total do estilo de vida. Ela deu um passo de cada vez. Essa é nossa dica pra você hoje.

  1. Ela substituiu refrigerante por água . Essa mudança significou que ela também reduziu o álcool, uma vez que a levou a parar de beber refrigerante misturado com licor.
  2. Ela desistiu do fast-food. “Eu honestamente comi fast food quatro vezes nos últimos dois anos. Mesmo quando vamos ao atletismo [da nossa filha], eu embrulho lanches, para não ir ao estande de concessão. Quando viajamos para o nosso negócio, eu carrego escolhas saudáveis ​​para mim, então quando outras pessoas estão parando no McDonald’s eu não preciso. Fast food é coisa do passado”, disse ela.
  3. Ela começou a andar. Sua filha, atleta, se machucou e precisou começar a nadar como parte de sua recuperação. Newman conseguiu uma adesão familiar ao YMCA local e começou a andar na esteira: “Eu só conseguia fazer um pouco de cada vez, em um ritmo muito lento. Não havia realmente outra escolha a não ser caminhar.

E não parou por aí

  1. Ela gravou o que comeu com seu aplicativo Fitbit.  
  2. Ela e o marido começaram a caminhar novamente. “Gosto de estar na natureza e estar ao ar livre”, disse ela. “Então essa foi uma das minhas motivações – ser capaz de sair e fazer coisas”, disse ela. “Começamos a caminhar muito e o peso caiu de forma bastante constante.”
  3. Ela desistiu das horas de dormir à meia-noite . Agora, ela se entrega às 22h. E porque ela viu como o álcool estava mudando seus padrões de sono, se ela bebe, é muito mais cedo.
  1. Ela permaneceu consistente com sua atividade física e nutrição. “Manter minha saúde como prioridade, mesmo quando minha agenda não estava normal, era importante. Com consistência, tudo se tornou um hábito. Mesmo nas férias, eu estava consciente das minhas escolhas alimentares e atividades para não sair da minha rotina”, disse ela. “Durante os momentos em que a escala não se movia, permaneci consistente sabendo que o quadro geral envolvia muito mais.”

Fonte

Continue Reading

Ciência e saúde

Galáxia ‘Roda de Carro’ é captura pelo telescópio James Webb

Published

on

Essa é a primeira vez em que é possível ver com uma nitidez sem precedentes a rara galáxia anelar. Isso, porque o telescópio Webb, lançado em dezembro de 2021, tem maior alcance para conseguir as fotografias.

A capacidade do Webb para detectar a luz infravermelha permitiu que ele atravessasse “um enorme quantidade de poeira quente” que atrapalhava a vista da galáxia da Roda de Carro, afirmaram a Nasa e a ESA.

Dessa forma, o telescópio revelou novos detalhes sobre a formação de estrelas na galáxia, assim como o comportamento do buraco negro supermaciço em seu coração, acrescentaram as agências espaciais.

Também foi possível detectar regiões ricas em hidrocarbonetos e outras substâncias químicas, bem como uma poeira similar à da Terra.

Fonte

Continue Reading

Destaques