Connect with us

Ciência e saúde

Você costuma ver o copo meio cheio ou meio vazio?

Published

on

Você está sempre olhando para o lado bom da vida? Nesse caso, você pode se surpreender ao saber que essa tendência pode realmente ser boa para sua saúde.

Em estudo recente feito na universidade de Durham, pelo professor de psicologia social Fuschia Sirois, descobriu-se que as pessoas com os níveis mais altos de otimismo desfrutavam de uma expectativa de vida entre 11% e 15% maior do que aquelas que eram menos otimistas.

Eles tem melhor sono, menos estresse e ainda melhor saúde cardiovascular e função imunológica.

A pesquisa

Para conduzir seu estudo, os pesquisadores acompanharam a vida útil de quase 160.000 mulheres com idades entre 50 e 79 anos por um período de 26 anos.

No início do estudo, as mulheres completaram uma medida de auto-relato de otimismo. As mulheres com as pontuações mais altas na medida foram categorizadas como otimistas. Aqueles com as pontuações mais baixas foram considerados pessimistas.

O que torna essas descobertas impressionantes é que os resultados permaneceram independente de fatores como nível educacional e situação econômica, etnia e se uma pessoa sofria de depressão ou outras condições crônicas de saúde.

Lidando com o stress

Outra possível razão para o resultado da pesquisa pode ser devido à maneira como os otimistas gerenciam o estresse. 

Situações de stress aumentam a frequência cardíaca e pressão arterial e prejudicam o funcionamento do sistema imunológico, afetando a saúde ao longo do tempo.

Os otimistas resolverão problemas e planejarão maneiras de lidar com o estressor, pedirão apoio a outras pessoas. Logo, encontrarão um “lado positivo” na situação estressante.

Em suma, a maneira como os otimistas lidam com o estresse pode ajudar a protegê-los um pouco contra seus efeitos nocivos.

Vida longa para os otimistas! Gostou? Compartilhe esse notícia e nos ajude a ter um mundo melhor!

Fonte

Ciência e saúde

O poder a música no desenvolvimento de crianças autistas

Published

on

O pequeno Isaac, de 2 anos, tem Transtorno do Espectro Autista (TEA). Ele falou pela primeira vez durante uma sessão de musicoterapia.

Juliana Pereira, mãe de Isaac disse que a criança foi diagnosticada com autismo regressivo nos primeiros anos de vida. O transtorno é caracterizado por começar mais tarde que outras neurodivergências.

Na prática, a pessoa se desenvolve normalmente até cerca de 18 meses de vida, quando surgem os primeiros indícios. O autista regressivo tem diminuídas as capacidades de linguagem e socialização. 

Por isso, o menino não havia falado nenhuma palavra até então. Mas, com o acompanhamento de médicos, fonoaudiólogos e com as sessões de musicoterapia, Isaac falou pela primeira vez durante uma brincadeira lúdica com o musicoterapeuta Anderson. 

Juliana, criou um perfil para mostrar a rotina do filho. Basta acessar @julianasppereira, para ver Isaac dizer outras palavras que aprendeu a falar.

A musicoterapia

Apesar de ainda não ser amplamente conhecida, a musicoterapia é recomendada para autistas e neurodivergentes em geral, principalmente crianças.

O tratamento pode ajudar na diminuição do estresse e no desenvolvimento da comunicação, entre outros benefícios.

Leia Também:

No entanto, em junho deste ano, a Agência Nacional de Saúde Suplementar ampliou a cobertura de planos de saúde para transtornos globais de desenvolvimento. É o caso do autismo.

Com a decisão, musicoterapia e outros serviços indicados por um médico podem ser solicitados junto ao plano de saúde, que é obrigado a custear o atendimento.

Continue Reading

Ciência e saúde

Pele de porco devolve visão a 14 pessoas, diz estudo

Published

on

A de porco foi usada para substituir parte da região ocular afetada. O estudo mostrou que dos 20 pacientes, 14 eram cegos antes de receberem o implante e 6 estavam próximos de o ser.

Dois anos após a cirurgia, todos os participantes do estudo recuperaram a visão, sendo que três apresentam, inclusive, uma visão perfeita.

Os pacientes sofriam de uma condição conhecida como ceratocone que se caracteriza pela danificação da camada externa protetora do olho. Nesses casos, a córnea, vai ficando gradualmente mais fina, enquanto se projeta progressivamente para fora. 

Os resultados obtidos surpreenderam os próprios investigadores, que consideraram a intervenção um sucesso.

“A bioengenharia de tecidos implantáveis ​​é a chave para lidar com a carga global da cegueira da córnea”, diz o estudo. 

Sendo o colágeno da pele de porco um subproduto da indústria alimentar, há também uma possibilidade acrescida de que este seja mais fácil de adquirir, inclusive, do ponto de vista econômico.

Existe também a esperança de que tratamentos semelhantes que recorram a tecido animal em lugar de doações humanas possam ser utilizados em outros tipos de doenças oculares.

Fonte

Continue Reading

Ciência e saúde

Vamos falar de herpes sim! Cuide-se.

Published

on

Muitos não sabem, mas a herpes trata-se de um vírus muito contagioso e que pode ser transmitido pelo contato direto com as úlceras.

Por vezes, através do contato com a boca ou os genitais de pessoas com infeção por HSV mesmo quando nenhuma úlcera esteja visível.

O vírus se divide em 2 tipos: o HSV-1, que causa o herpes labial e a ceratite, chamada de ulcerações na córnea do olho. Já o HSV-2, causa o herpes genital, porém esta distinção não é absoluta.

Depois da primeira infeção, chamada primária, o vírus permanece inativo, ou latente, no organismo por toda a vida.

Esta infeção latente pode não causar sintomas novamente ou pode ser reativa e voltar a causar sintomas. A reativação de uma infeção oral pode ser desencadeada por febre, menstruação, tensão emocional e supressão do sistema imunológico.

A doença também pode se desenvolver após um trauma físico ou a exposição prolongada à luz do sol.

A primeira infeção oral normalmente manifesta-se por úlceras dolorosas dentro da boca e é mais comum em crianças. Mas, também podem apresentar febre, dores de cabeça e corpo.

As úlceras na boca duram entre dez a dezanove dias para cicatrizar e as recidivas normalmente manifestam-se como um aglomerado de feridas no lábio.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito através da análise de uma amostra retirada da úlcera. No entanto, a herpes é facilmente reconhecida pelo médico.

Também podem ser feitos exames ao sangue para identificar os anticorpos contra o HSV. Estes exames permitem até perceber se a infeção é provocada pelo HSV-1 ou HSV-2.

Portanto, as pessoas que sabem já serem portadoras do vírus devem evitar beijar outras assim que sintam o desconforto anterior ao surgimento das úlceras até que a cicatrização esteja completa.

Fonte

Continue Reading

Destaques