Connect with us

Mulheres

Mulher sabia que seu bebê seria diferente. Mas quando nasceu, ela ficou em silêncio

Published

on

Tudo foi uma verdadeira surpresa para esta mãe

Quando Amber Rojas, uma mulher de 35 anos e mãe de quatro filhos ficou grávida, foi uma surpresa. Ela e seu marido não estavam imaginando mais um bebê e mais uma vida para eles cuidarem. Apesar disso, ficaram muito felizes, afinal, uma criança deve ser um motivo de alegria.

Para que esta gravidez fosse diferente, Amber decidiu não saber o sexo do bebê. Mas essa não seria a única surpresa, pelo menos de acordo com os pressentimentos desta futura mãe de cinco filhos. Ela acreditava que este bebê seria diferente, “Eu não sabia o porquê ou o que, mas eu sempre disse ao meu marido:” Este bebê seria diferente”.  Apesar disso, tudo foi conforme o planejado até o dia do parto, o qual ela decidiu que seria em sua casa, com uma parteira.

Quando completou 9 meses e duas semanas de gravidez, Amber estava pronta para dar à luz. E assim foi, pouco tempo de parto e muita tranquilidade marcaram o nascimento desta nova vida.

E quando o bebê nasceu, todos perguntaram “O que é, o que é?”, se referindo ao sexo daquela pequenina vida. Mas Amber só tinha olhos para um outro detalhe. Aquele bebê parecia ter Síndrome de Down. E foi exatamente isso que a parteira Ângela disse, “Eu não quero preocupar você, mas sua filha tem alguns marcadores de Síndrome de Down”.

Então todos perceberam que era uma menina muito especial. Ela recebeu o nome de Amadeus, e seria muito amada por todos. “Meus pensamentos sobre ela ter síndrome de Down foram embora porque estava tão animado que estávamos tendo outra garota!”, lembra Amber.

Agora a família está completa. Amber não planeja mais filhos e diz que todos estão muito felizes com o nascimento da pequena Amadeus.

Uma linda família, realmente.

Fotos: Reprodução Internet

Fonte: The poch times

Mulheres

Monumento na Nigéria presta homenagem a guerreira Amazona

Published

on

A cidade de Benin, na Nigéria, inaugurou vários monumentos por ocasião do Dia da Independência do país .

Entre as obras de arte, está uma estátua de mais de 30 metros, de uma Amazona, dedicada ao exército feminino da época do Reino de Dahomey ou Daomé (atual Benin).

A estátua é considerada por alguns a rainha Tassi Hangbè, que assumiu o comando militar após a morte do irmão gêmeo o rei Akaba, e governou entre 1708 e 1711.

Hangbè foi a primeira amazona a criar um batalhão com as melhores guerreiras.

As amazonas são responsáveis por boa parte da fama de Daomé – um dos reinos africanos mais poderosos, que existiu entre os séculos XVII e XIX.

De quinze reis em Daomé, a única mulher é Tassi Hangbé. E este é o único exército feminino de que se tem registro na história moderna.

Fonte

Continue Reading

Curiosidades

Mulher cria vestidos inspirados em uma cidade francesa.

Published

on

A responsável por esta coleção de vestidos encantadores é a designer francesa, Sylvie Facon. Inspirada pela antiga cidade da região de Hauts-de-France. Ela criou um vestido Hommage à Arras, cheio de elegância que parece ter saído de um conto de fadas.

Inicialmente, o vestido parece ser uma criação de ficção. Mas um olhar mais atento revela que retrata as riquezas artísticas e arquitetônicas de Arras em sua verdadeira forma.

Os edifícios de inspiração flamenga da praça medieval da cidade são mostrados no busto. As estatuetas medievais de ouro são conhecidas como os Anjos de Saudemont e repousam na cintura do modelo.

Em contraste com estes conhecidos monumentos, a indumentária contém também os pequenos detalhes que distinguem Arras como única desde o seu pavimento até à sua flora.

A Facon visa “aperfeiçoar todas as etapas, do esboço ao ponto final”, criando peças que misturam grande arte com moda sob medida.

Imagens retiradas do Instagram

Fonte

Continue Reading

Mulheres

Mãe reencontra filha trocada na maternidade, depois de 37 anos

Published

on

O caso aconteceu no interior de São Paulo. Maria Regina, que até então vivia com duas filhas em Ribeirão Preto, recebeu uma carta da Santa Casa de Sertãozinho (SP), em abril deste ano.

O bilhete informava que duas bebês nascidas em 1985 haviam sido trocadas, e uma delas era a filha da mulher.

Maria Regia ligou para a advogada e disse estar em choque, como se um cometa tivesse caído em sua cabeça.

Uma mistura de revolta e alegria tomou conta da mãe que reencontrou a filha biológica, depois de 37 anos. Durante esse tempo todo ninguém desconfiou de nada.

Como foi a troca

A suspeita da troca veio à tona quando a bióloga Mônica Tatiane Ribeiro, de 37 anos, descobriu que não era filha do casal que a criou quando estava grávida.

“Descobri em setembro de 2021. Foi muito doloroso. Eu estava grávida, então foi um processo bem difícil digerir tudo isso. Esperei a gravidez para ir atrás da Santa Casa e encontrar a minha mãe biológica”, relatou.

O caso foi esclarecido de vez depois que Maria Regina e Mônica fizeram um exame de DNA.

Fonte

Continue Reading

Destaques