Connect with us

A Boa do Dia

“No meu berço, virei a cabeça e vi coisas ao meu redor”, revela mulher com síndrome rara

Published

on

Já imaginou se lembrar de absolutamente tudo da sua vida? Incluindo os seus primeiros anos de vida? Parece meio louco e assustador, não?! Acredite ou não, essa é a realidade de Rebecca Sharrock.

A australiana de 27 anos, diagnosticada com autismo, conta com uma síndrome, a chamada ‘Memória Autobiográfica Altamente Superior’, ou HSAM, em inglês. Mas o que significa isso? Basicamente, sua condição neurológica faz com que ela se lembre de absolutamente tudo, como datas específicas, eventos, a roupa que estava usando neles e até como se comportou na época de berço.

Durante sua infância, as coisas foram um pouco complicadas para a menina. Sharrock sempre achou que todos fossem iguais à ela até ver uma matéria passando na televisão sobre pessoas com a síndrome. “Quando aquelas pessoas começaram a lembrar de suas memórias, os repórteres diziam ‘é incrível’. Eu disse aos meus pais ‘por que eles dizem que isso é incrível, não é normal?'”.

berço vida

Australiana de 27 anos que se lembra de absolutamente tudo sobre sua vida.

Logo, os pais disseram à ela que sentiam que ela tinha a mesma condição e não demorou até que recebesse o diagnóstico. Na época, apenas 60 pessoas tinham a síndrome.

Mas por que existe essa supermemória?

Segundo alguns estudos, o lobo temporal (que ajuda no processamento da memória) é maior nos cérebros com a HSAM. Além disso, o núcleo caudado também pode ser maior; ele ajuda no aprendizado, porém pode influenciar na síndrome obsessivo-compulsivo.

Infelizmente, a síndrome causa um certo desespero nessas pessoas. Para Sharrock, reviver as memórias lhe causa dores de cabeça e insônia. Além disso, ela já sofreu depressão e ansiedade. ”Se eu estou lembrando de algo que aconteceu quando eu tinha três anos, minha resposta emocional à situação é semelhante à de uma criança de três anos, mesmo que minha mente e consciência sejam de adulta”, revela.

Com o tempo, porém, Sharrock aprendeu a ver o lado bom das coisas. “No começo de todo mês, eu escolho todas as melhores memórias que tive naquele mês em outros anos”, conta. Assim, ela passa a reviver apenas os momentos bons para se desvencilhar dos ruins.

Ela quando bebê

O mais interessante disso tudo é poder enxergar a percepção das crianças. Quero dizer, as memórias de Sharrock quando era bebê trazem esse novo olhar.

“Eu estava no meu berço, virei a cabeça e vi coisas ao meu redor, como o ventilador. Fiquei fascinada por aquilo. Só quando eu tinha um ano e meio que me antenei, ‘por que não me levanto e vou explorar o que deve ser aquilo?'”, conta.

“Quanto eu tinha mais ou menos uma semana de idade eu lembro de estar enrolada em um cobertor rosa de algodão”, lembra Sharrock. “Por algum motivo, eu sempre sabia quando era a minha mãe que estava me pegando no colo, eu sempre soube instintivamente disso e ela era minha pessoa preferida”.

A mulher também é capaz de controlar alguns sonhos dela, por exemplo. “Eu posso controlar meus sonhos e raramente tenho pesadelos porque eu penso que se alguma coisa assustadora acontecer eu posso mudar a sequência”, diz. Quando era bebê, porém, não foi exatamente assim. “É por isso que eu chorava à noite”, descreve, “mas eu não conseguia verbalizar.”

A única coisa que ela não se lembra é o dia de seu nascimento. “É o único aniversário que eu não lembro”, diz. “Eu não tenho memórias do útero ou de estar saindo da minha mãe, nada disso. Mas eu não acho que gostaria de lembrar disso”.

Agora, Sherrock participa de dois programas de pesquisa da Universidade de Queensland e da Universidade da Califórnia para assim, quem sabe, ajudar as pessoas que sofrem de Mal de Alzheimer.

Fotos: Reprodução/Edouard Taufenbach

Fonte: BBC.

A Boa do Dia

Menino que ligou para policia por fome recebe ajuda de todo país.

Published

on

O apelo do pequeno Miguel, de 11 anos, comoveu todo o Brasil. O menino ligou para a polícia dizendo que estava com fome e pediu comida, contando que a família só tinha fubá com água para comer.

Os policiais constataram a situação de miséria, não aguentaram e decidiram ajudar.

“A guarnição ficou bastante comovida ouvindo os relatos das crianças, que há três dias eles estavam se alimentando apenas com água e fubá”, afirmou o tenente Nilmar Moreira. E dona Célia, a mãe das crianças confirmou:

“Eu só tinha fubá e farinha. Já tinha uns três dias que a gente estava assim. E que já tinha acabado as coisas, já tinha mais de 20 dias, mas ainda tinha um pouquinho de arroz, de algumas coisas”, contou a mãe do menino. 

Depois que o áudio do Miguel viralizou na internet, tocou o coração de tanta gente, que pessoas de várias partes do Brasil começaram a mandar ajuda.

Fonte

Continue Reading

A Boa do Dia

Criatividade na crise: pães e caixas de ovos como lembrança de festa.

Published

on

Na Nigéria, os anfitriões de uma festa típica nigeriana distribuiu aos convidados lembranças pouco convencionais.

Como parte de uma típica celebração nigeriana, é comum que o anfitrião dê presentes aos convidados como forma de expressar gratidão àqueles que compareceram ao evento.

As lembrancinhas costumam variar de plástico a itens comestíveis. Nos últimos tempos, power banks, caixas e telefones entraram na lista de itens que são frequentemente compartilhados em festas como souvenirs.

No entanto, em meio ao aumento do custo dos alimentos no país, os organizadores de uma festa decidiram compartilhar pães e caixas de ovos como uma espécie de alívio para os participantes.

Os convidados ficaram surpresos quando receberam as lembranças, mas agradecidos também.

Em meio a crise, eis uma ótima ideia, não é mesmo?

Fonte

Continue Reading

A Boa do Dia

Gêmeas de 103 anos compartilham segredo da vida

Published

on

Foram 103 anos compartilhando os bons momentos de felicidade que tiveram.

As duas irmãs são as gêmeas mais velhas da Grã-Bretanha. Depois de cem anos de vida, elas compartilharam o segredo de uma vida longa.

As irmãs declararam que o segredo para se ter uma vida longa é comer bem e beber na hora de dormir.

Thelma Barratt, brincou dizendo que sua longevidade se deve ao seu amor pela comida, enquanto Elma Harris aprecia um conhaque e limonada.

No entanto, deve ser sempre servido num copo de brandy sem gelo, insistiu.

As irmãs, que agora moram em diferentes municípios, se reuniram para uma festa com a família.

Fonte

Continue Reading

Destaques