Família

Mês da amamentação: A arte de amamentar com Sabrina Petraglia

Published

on

Sabrina Petraglia fez um relato nas redes sociais dividindo experiências sobre amamentação real. Mãe de Gael (3), Maya (1) e Léo, de três meses, a atriz refletiu sobre as diferentes vivências com os três filhos e incentivou o aleitamento materno em meio ao agosto dourado, mês de conscientização sobre o tema.

Sabrina Petraglia fala sobre amamentação de três filhos

Sabrina Petraglia dividiu algumas fotos em que aparece amamentando os dois filhos mais novos, Maya e Léo. Junto aos retratos, a atriz comentou um pouco sobre como foram suas três experiências com a amamentação. “Eu amamento desde 2019. Por escolha, são 3 anos. Sempre intenso, prazeroso, dolorido e difícil”, começou a atriz.

Ela detalhou os diferentes processos com cada filho. Leia o relato da atriz:

imagem/instagram

“Eu amamento desde 2019. Por escolha, são 3 anos.
Sempre intenso, prazeroso, dolorido e difícil. Com Gael, foi sofrido no começo. O leite não descia nos primeiros dias em que ele passou na UTI Neonatal.

Vencemos pela insistência, eu… pela vontade louca de amamentar. Entrei na árdua livre demanda, na dedicação da amamentação exclusiva. Gael não engordava e certamente chegou a passar fome até engrenar.

Já Maya, por ter Gael, mamou de 3 em 3 horas desde o começo e não hesitei em complementar logo no começo quando ela teve hipoglicemia. A bomba de tirar leite sempre foi minha maior aliada para estimular e estocar leite na tentativa de não precisar complementar com fórmula.

Conheço todos os modelos de bomba e tenho o colo marcado, esfolado até hoje de tanto tirar leite. Já senti amor, dor, plenitude e solidão ao amamentar. Já chorei, me emocionei amamentando e já fiz isso em todos os cômodos das 3 casas que morei por diversas vezes.

Já amamentei na plenitude de um quartinho lindo decorado e também na lida dos afazeres da casa. Amamentei grávida também e, hoje, Léo divide o peito com a irmã. Léo, assim como os irmãos, adora mamar, dormir no peito e se aconchegar nesses momentos do dia. Ele também espera 3 horas pra próxima mamada.

Não julgo e tem todo o meu entendimento e respeito a mãe que escolheu não amamentar. É difícil mesmo! Sinto muito pela mãe que quis muito e não conseguiu. Isso acontece e não é preguiça da livre demanda não! Não são todas que conseguem. Entendo muito também a mãe que tentou, mas não deu conta.

Nesse mês mundial da amamentação, passo aqui para apoiar o aleitamento possível. Estamos todas no mesmo barco, tentando dar o melhor que temos para as nossas crias.

O leite materno é necessário, com certeza o melhor alimento que podemos oferecer, sem falar na entrega e a conexão sagradas que formamos com nossos filhos. Seja você um incentivador e apoiador da amamentação também.
Marque aqui aquela mamãe guerreira que merece todo seu carinho, apoio e admiração”.

Fonte

Destaques

Sair da versão mobile