Professora emociona ao explicar a história por trás do vídeo de seu aluno cumprimentando colegas


Professora mostra progresso de aluno em vídeo
Professora mostra progresso de aluno em vídeo
PUBLICIDADE

As crianças aprendem desde cedo sobre respeito, compaixão e gentileza. E muito desses ensinamentos precisam vir de dentro de casa e aprimorados nas relações interpessoais. Mas, nem sempre a realidade é essa. A professora do jardim de infância, Ashley Coston Taylor, sabe bem disso e passou a adotar algumas técnicas para trabalhar determinadas questões dentro da sala de aula, com seus alunos.

Ela tem a consciência de como seu papel como educadora pode ser influente sobre suas turmas. Ela recentemente compartilhou o vídeo do pequeno Asher cumprimentando todos os colegas, de uma forma muito fofa, e as imagens ganharam proporções inimagináveis.

PUBLICIDADE

Confira:

When I see the direction the world is heading, it reminds me that what I am doing WILL make a difference!#lovemylittles#bestwaytostartaday#nevertooyoungformanners

Posted by Ashley Coston Taylor on Monday, May 21, 2018

Ao Love What Matters, a professora contou a história por trás do vídeo. Asher tem uma doença chamada Neurofibromatose 1, que afeta o cérebro. Quando a escola começou, ele pouco conseguia falar. Com o tempo, foi progredindo e quando a educadora gravou a cena, estava orgulhosa ao ver o menino falar com todos pelo nome e vendo até onde ele tinha chegado.

“Eu comecei este ritual anos atrás. Só de ver crianças mais velhas e adultos na sociedade me fez perceber que estas eram as lições que eu precisava para ensinar aos meus pequenos! Eu ensinei principalmente em áreas de baixa renda e sempre senti que essas crianças precisam de tantas lições de vida quanto de lições acadêmicas. Nós começamos este ritual no início do ano. Começa comigo como a recepcionista e, quando começam a sentir-se confortáveis, assumem o controle.”, conta Ashley.

Método de ensino:

Com o tempo, cada um deles passa pelo mesmo ritual, de esperar na porta e cumprimentar à medida em que vão entrando na sala. Cada criança é chamada pelo nome e ganha um aperto de mão e por vezes, até abraços.

“Infelizmente, muitas crianças (de todas as idades) vêm à escola procurando a interação positiva que elas podem não ter experimentado em casa. A vida pode ser difícil para as crianças, mas não deveria ser na escola!”, acrescenta.

A ideia é fazer uma diferença na vida de cada uma dessas crianças, mesmo que pequenas. Ashley ficou radiante ao saber que outros profissionais também vão implementar esse tipo de abordagem mais humana em sala de aula.

Foto: Reprodução/ Ashley Coston Taylor

Fonte: Love What Matters

POSTS PATROCINADOS