Professor raspa a cabeça para apoiar aluno com doença autoimune


PUBLICIDADE

Com tanta notícia de tragédia que vemos por aí, fica difícil acreditar que há sim o lado bom também. Por isso, a história de Dino Shuffield é tão inspiradora.

O menino de cara simpática, estudante do Ensino Fundamental, sofreu com um grande impacto em sua vida: quando ele menos esperava, seu cabelo começou a cair. Aí veio o duro diagnóstico da doença autoimune chamada alopecia areata, onde o corpo ataca o folículo capilar. A notícia veio como um baque para a família.

PUBLICIDADE

Infelizmente, mais cedo ou mais tarde, Dino ficaria totalmente careca. Ele até tentou, por um tempo, se sentir confortável com a queda constante de cabelo até que um dia seu professor, Ehren Steiner, o chamou para uma conversa. Ele queria saber se Dino não preferiria raspar sua cabeça.

Mas o que o menino não esperava era por uma proposta tão inesperada como a que Ehren o deu já no dia seguinte: se ele decidisse por raspar a cabeça, ele também o faria. É claro que Dino não achou que ele estivesse falando sério. Para ele era como se fosse apenas uma forma de estimulá-lo.

Porém, na segunda-feira, Dino não consegue acreditar no que vê. Seu professor tinha realmente se atrevido àquilo. “Meu queixo caiu. Quero dizer, ele realmente fez isso”, contou ele quando o viu pela primeira vez sem nenhum fio de cabelo na cabeça.

Parece que Ehren não se importou nem um pouco em aparecer totalmente careca na frente de seus alunos, já que tudo isso era apenas uma forma de se solidarizar com Dino.

“Muitas vezes é horrível passar por algumas coisas sozinho e eu acho que se você tem alguém para superar isso com você, torna tudo muito mais agradável”, conta Ehren.

O melhor de tudo é a resposta de Dino a ele depois de tudo o que enfrentaram “Ele é o melhor professor do mundo”. Com certeza, Dino.

Veja mais no vídeo:

Lindo ato, não?! O que você achou?

B. Ponzio

Fotos: Youtube

POSTS PATROCINADOS

Beatriz Ponzio

Jornalista, introspectiva, criativa, sensível, sonhadora, apaixonada por dança e pela vida.