Mulher relata a rotina com Alzheimer: “Sabe isso de virar mãe da sua mãe? É o que vivo todos os dias”


Filha larga tudo para cuidar da mãe com Alzheimer
Filha larga tudo para cuidar da mãe com Alzheimer
PUBLICIDADE

O Alzheimer é uma doença neuro-degenerativa e causa o declínio das funções cognitivas. Isso acaba interferindo no comportamento e personalidade e aos poucos a pessoa vai perdendo sua memória. Em muitos casos, acaba esquecendo de coisas simples, como pentear os cabelos ou escovar os dentes. Infelizmente, é realidade de inúmeras pessoas no Brasil e no mundo.

Adalva é uma dessas pessoas, que sofrem de Alzheimer. Por isso, sua filha, Adelaine Ribeiro, se dedica a cuidar dela. “Em um início de tarde de uma segunda-feira, em agosto de 2014, minha vida deu uma reviravolta. Naquele dia, foi a primeira vez em que minha mãe apresentou intensos sinais de delírios, agitação, esquecimentos, total falta de percepção do tempo atual e muita agressividade.”, conta ela.

PUBLICIDADE

Nesse momento, toda sua família se desesperou, vendo que Adalva não estava bem. Até porque, no dia anterior ela já tinha dado sinais de que algo estava errado, mencionando histórias muito antigas como se estivessem acontecendo naquele exato momento. Depois desse episódio, há três anos, ela nunca mais ficou sozinha.

“Somos uma família pequena, nem eu nem minha irmã temos filhos. Eu, devido a um problema de saúde, não posso engravidar, e minha irmã não teve filho por opção – e assim os acontecimentos foram se encaixando nesses acasos do destino de cada uma de nós.”, explica Adelaine. Foram necessárias diversas consultas, para que a família encontrasse um médico que gostassem e acabou virando um amigo.

Filha larga tudo para cuidar da mãe com Alzheimer
Filha larga tudo para cuidar da mãe com Alzheimer

“É triste dizer, mas há algum tempo já sabia que minha mãe não era feliz, via a tristeza no seu olhar. Somos só nós três – eu, ela e minha irmã – e agora todo este universo da doença de Alzheimer. Digo que tenho outra mãe, apesar dos constantes “apagões” da sua memória, das infinitas repetições das suas perguntas, do cuidado a cada nova etapa da doença, todo dia vejo uma nova mãe, uma mãe que agora é filha. Os papéis se inverteram.” – Adelaine lembra que já aconselhava a mãe há anos a buscar tratamento para a depressão.

Mudanças e adaptações:

Depois de ser demitida do trabalho, foi então que passou a cuidar da mãe em tempo integral e compartilhar as dificuldades e a intensidade do universo de quem convive com Alzheimer. “Tenho muito mais momentos de alegrias na companhia dela, procuro sorrir diariamente e sempre agradecer por estar tendo esta oportunidade que não é só de cuidar, mas aprender, crescer emocionalmente com toda esta vivência que o Alzheimer tem mostrado.” Por questões financeiras, Adalva e as filhas moram juntas.

“Sabe isso de virar mãe da sua mãe? É o que vivo todos os dias, no banho que hoje precisa ser auxiliado, na reorganização da casa para evitar fuga e quedas, no preparo das refeições, na mudança da nossa rotina. Tem dias em que ela não quer sair da cama, não quer tomar banho ou quer tomar dois banhos seguidos, ou só comer a toda hora.”, conta sobre a rotina diária que enfrentam.

Sem sair do lado da mãe, o que ela quer é mostrar para outras famílias que não estão sozinhas!

Foto: Reprodução/ Rachel Cezimbra

Fonte: Revista Donna

POSTS PATROCINADOS