Menino com câncer terminal luta para conhecer irmã. E pais se emocionam com últimas palavras à ela


Menino com câncer terminal
PUBLICIDADE

Sabe aquelas histórias que te deixam com lágrimas nos olhos e o coração pra lá de balançado? Essa é uma delas. Bailey Cooper, um menino de apenas nove anos, de Bristol, no Reino Unido, foi diagnosticado com um tipo raro de câncer em 2016.

Em um primeiro momento, quando ele mostrou que não estava bem, os médicos pensaram se tratar de uma infecção no tórax. Mais tarde, depois de outros exames, o resultado foi o que ninguém queria ouvir – um câncer raro no estágio 3. Rapidamente ele começou o tratamento, com sessões de quimioterapia e doses medicamentosas. Em 2017, ele entrou em remissão.

PUBLICIDADE

Menino com câncer terminal

“Eles achavam que não havia mais sinais do câncer. Ele teve que fazer exames regulares e ressonâncias mistas de rotina a cada três meses, mas as coisas estavam indo bem”, disse seu pai, Lee Cooper, ao The Bristol Post. Porém, em agosto de 2017, seu câncer voltou de forma agressiva e terminal. Os médicos disseram que não havia mais nada que pudesse ser feito.

Menino com câncer terminal

Tinha apenas um desejo final:

Bailey sabia que tinha só algumas semanas, talvez até dias de vida. Mas, ele tinha apenas um desejo. Sobreviver para conhecer sua irmãzinha, que estava a caminho. O nascimento dela estava previsto para novembro.

“Nós não pensamos que ele aguentaria tanto tempo, mas ele estava determinado a conhecer Millie”, Rachel Cooper, sua mãe, disse ao The Bristol Post. Ele suportou até o final de novembro e enfim pôde ter a irmã nos braços e fez tudo o que um irmão mais velho faria. Deu banho, ajudou a trocá-la e cantou para ela.

Menino com câncer terminal

Porém, o câncer estava cada vez mais agressivo e Bailey estava cada vez mais fraco. “Às 11h45, na véspera de Natal, estávamos ao lado de sua cama e sabíamos que não ia demorar para que ele partisse”, disse Rachel. Pouco antes de morrer, o menino pediu para que os pais chorassem por apenas 20 minutos, pois tinham a irmã e seu outro irmão, de 6 anos, para cuidar. Ele partiu de forma tranquila e pacífica.

Menino com câncer terminal

“Estamos entorpecidos”, disse Lee. “Mas, de certa forma, também estamos felizes por ele não ter mais dor.”, concluiu. Bailey mostrou que tinha um coração enorme, acima de qualquer dificuldade que passou!

Foto: Reprodução/ Facebook/ Bristol Post

Fonte: Yahoo!

POSTS PATROCINADOS