Médicos colocam bebê dentro de saco plástico. E foi isso que salvou sua vida


Pixie
PUBLICIDADE
Quando o feto parou de crescer no útero de sua mãe, eles sabiam que seria um parto complicado

Sharon Grant estava grávida de sua primeira filha quando ficou sabendo que o bebê tinha parado de crescer em seu útero.

Na época em que foi informada deste fato, ela estava com apenas 5 meses de gestação. Depois disso, foram diversas idas e vindas ao médico.

PUBLICIDADE

Apesar dos doutores saberem que o bebê nasceria prematuro, esperavam que ele crescesse um pouco mais antes do parto.

Com 7 meses de gravidez, as notícias ficaram ainda piores. A placenta e o cordão umbilical não estavam entregando os nutrientes para o feto, e o parto teve que ser feito imediatamente.

“Ela não sobreviveria um parto normal, então tivemos que fazer uma cesariana”, lamenta Sharon.

Os médicos disseram que talvez precisassem fazer dois cortes na mãe, pois estavam com medo de não encontrarem o bebê. Por sorte, só precisaram fazer um.

Quando a pequena Pixie nasceu com apenas 498 gramas, ninguém achava que ela ia sobreviver. Eles então a colocaram em um saquinho de sanduíche, para mantê-la aquecida.

Foto: Sharon Grant

Pixie continuou lutando, mas cada segundo era uma incerteza.

“Ela teve infecção de estomago, de urina e diversas transfusões de sangue foram feitas” conta a mãe.

Somente a partir dos 5 meses de idade, Pixie pode receber alta. Seu peso aumentou, e ela finamente foi para casa.

Confira como Pixie está hoje:

Foto: Sharon Grant

Quando a pequena foi para seu lar, ela não podia ficar perto de pessoas doentes. Qualquer coisa poderia levá-la de volta para o hospital.

” É tão bom ter minha filha em casa. Ela tem recebido muito carinho das pessoas”, comemora a mãe.

Estamos com Sharon na torcida para que Pixie cresça cada dia com mais saúde.

Fonte: LifTable

POSTS PATROCINADOS