Mãe vê a filha se afogar. E quando nada poderia salvá-la, um policial atende sua ligação


Bebê é salva de afogamento
PUBLICIDADE
Mãe vê a filha se afogar:

Há algumas situações de emergência em que é preciso agir rápido. É preciso manter a calma e usar o lado racional. A mãe dessa garotinha de apenas 1 ano e 9 meses descuidou dela por apenas alguns segundos e quando notou, a filha estava se afogando na piscina.

O caso ocorreu em Hortolândia, em São Paulo, no domingo, 12. A mãe entrou em contato com PM de Piracicaba (SP), que recebe a demanda de atendimentos da cidade, em desespero. Ela informou aos policiais sobre o que tinha acontecido. O cabo da PM Johnny Almeida da Silva passou os procedimentos para a mulher; ele já tinha lidado com situações como essa à distância.

PUBLICIDADE

“Na maioria das vezes a gente auxilia engasgamento que, em teoria, é um pouco mais simples. […] Afogamento é um pouco mais grave porque, quando a pessoa percebe, já demanda um tempo do ocorrido. […] Fiquei arrepiado porque tenho um filho de 1 ano e 1 mês, me vi no lugar dela. Tentei passar da maneira mais clara possível. É uma situação que pode ocorrer com qualquer um”, conta o policial.

Mãe vê filha se afogar

Com o auxílio das instruções de Johnny, o tio da criança conseguiu salvá-la:

“Pedi pra ele esticar o braço, colocar a criança de bruços com a cabeça virada para a palma da mão, levemente inclinada para baixo. Ele fez os procedimentos, efetuou cinco tapinhas leves nas costas com a mão. Orientei que inclinasse a cabeça para desobstruir as vias aéreas. Quando ele fez o procedimento pela primeira vez, ela voltou a respirar”, explica o cabo da PM.

A mãe comemora que a filha tenha ficado bem:

Mãe vê filha se afogar

“Foi um milagre! Ela sumiu por instantes e, quando olhei na piscina, estava boiando toda roxa”, disse Graziela dos Santos ao G1, ontem, 13.

A pequena foi reanimada no caminho para uma base do Samu, perto da residência. Levada para o Hospital Municipal e Maternidade Dr. Mário Covas, em Hortolândia. Lá fez alguns exames e foi liberada. Segundo a mãe foi informada pelos médicos, o fato da bebê ter começado a fazer natação foi há dois meses foi o que a salvou, pois ela “trancou” a respiração e não engoliu água. 

Segundo a polícia, em casos como esse é recomendado que a vítima ligue para os números 190, da Polícia Militar, ou 193, do Corpo de Bombeiros, como Graziela fez. Assim, eles poderão acalmar a pessoa e orientá-la.

Foto: Reprodução/ Graziela dos Santos/ Arquivo Pessoal

Fonte: G1 

POSTS PATROCINADOS