PUBLICIDADE

''Ou ela ou eles'', os médicos teriam dito à Chloe Dunstan e ao marido Rohan. Mas eles jamais pensaram em desistir.

Tudo aconteceu extremamente rápido. Ela e Rohan já estavam extremamente felizes com seus três meninos saudáveis, mas a vontade de ter uma filha sempre falou mais alto. Assim, ambos foram em frente para ter o quarto bebê, a menina que tanto sonhavam.

Mas aparentemente os planos haviam acabado de mudar quando os médicos revelaram no ultrassom que Chloe teria não um, mais sim três bebês. “Quando disseram que nosso suposto quarto e último bebê seria, realmente, o nosso quarto, quinto e sexto, fiquei completamente chocado, para ser honesto. Estou com medo, animado, oprimido, feliz, confuso… não sei,” contou o pai.

O que ninguém esperava, porém, era que após um simples ultrassom na 28ª semana de gravidez, viria a revelação: a única menina presente em seu útero não estava crescendo muito, diferente dos outros dois meninos. Logo, o casal descobriu que ela poderia facilmente morrer caso não fosse operada.

O único problema era que se isso fosse feito, a vida dos outros bebês seria rapidamente colocada em risco. Por isso, a mãe agora teria uma grande questão em suas mãos: ela deveria dar uma chance a garotinha, prejudicando os outros dois meninos ou a deveria deixá-la na mão, deixando os outros meninos saudáveis.

“Na época, eu mal conseguia ouvir nada disso… Minha mente dizia ‘Eu quero todos os meus bebês’, fiz um monte de pesquisa e tentei obter uma resposta… Eu sabia que ia ser difícil, mas não podia desistir dela… Sabia que ela era forte, porque ela fez todo o caminho até as 28 semanas, mesmo tendo poucos nutrientes do útero,” contou a mãe.

No começo, ela admitiu ter sentido muita culpa sobre o ocorrido, ainda mais por todos os bebês passarem tanto tempo no hospital após a garotinha nascer com apenas 690 gramas. Por conta disso, teve que ficar presa a um respirador artificial, lutando contra infecções.

''Às vezes, eu sentia que havia tomado a decisão errada; às vezes, sentia que se tivesse escolhido a outra opção, nenhum deles estaria sofrendo. Era difícil admitir isso e lidar com esses sentimentos,” disse ela.

Mesmo assim, Chloe jamais desistiu de continuar. Hoje, a mãe sabe que tomou a decisão correta, afinal todos estão, finalmente, saudáveis. ''Fiz a escolha certa e meu coração dói quando eu penso sobre a outra alternativa. Não podia imaginar a vida sem ela e estou muito orgulhosa de todos eles! Estou ansiosa em vê-los crescer!”, conta.

Felizmente, todos estão bem agora, não?!

Fotos: Reprodução

PUBLICIDADE