Essas crianças não saíam nunca de seus quartos. Até que veem algo do lado de fora


PUBLICIDADE

Já imaginou poder sair daquele seu mundinho particular? Digo, sair daquelas telas de televisão, videogame, celular? Parece loucura, né? Porque afinal… O que você poderia fazer sem seu celular?

A ideia do campo de Minnesota é exatamente essa: permitir que as crianças possam se aventurar em diversos tipos de brincadeiras e tudo ao ar livre e feito com… Papelão! Sim, você não ouviu errado! Sem falar que o espaço é bem grande! Lá você pode achar trilhas arborizadas, campos abertos, lagos, etc. É a aventura do momento! Você iria?

PUBLICIDADE

O campo, apelidado de “Aventuras em Papelão”, abriu os corações e as mentes da juventude por meio de artes ao ar livre e jogos – muitos jogos!

A proposta foi desenvolvida pelo artista Julian McFaul e é tudo baseado em workshops que encorajam as crianças a usarem a natureza e sua imaginação para criarem diversos espaços diferentes; tudo isso para estimulá-los tanto mentalmente como fisicamente.

O que eles querem com isso é que as crianças possam perceber sua liberdade e criatividade; coisa que os smartphones e os videogames, por exemplo, não podem dar a eles.

“A partir do trabalho de Richard Louv e muitos outros que descrevem o “transtorno de déficit de natureza”, sabemos que as crianças são mais inteligentes, mais saudáveis e mais felizes quando tem tempo para brincar em lugares mais naturais”, explica Julian.

“Eu sei a primeira coisa que as crianças tendem a fazer quando chegam na entrada da grande floresta, não importa seu sexo, etnia ou cultura; é pegar um graveto, fazer uns movimentos de combate com espadas e gritar coisas para que os monstros venham pegá-los”, diz ele.

E parece que os adultos também estão querendo entrar nessa. Já foram feitos pedidos à organização para que isso aconteça.

Quem sabe, não? Curtiu a ideia?

Beatriz Ponzio

Fotos: Julian McFaul/Youtube, Amy Wurdock/Upworthy.

POSTS PATROCINADOS

Beatriz Ponzio

Jornalista, introspectiva, criativa, sensível, sonhadora, apaixonada por dança e pela vida.