Depois de vencer câncer, ex-panicat conta que doença foi algo positivo em sua vida


Tânia Oliveira
Tânia Oliveira
PUBLICIDADE

Ex-panicat revelou momentos difíceis e também como o câncer “fez bem” para ela

Muitas pessoas julgam e criticam as panicats.  Seja pelas roupas que vestem, pelo que fazem ou até por se sujeitarem àquela situação. Mas Tânia Oliveira, de 38 anos, revela que esse trabalho, apesar de tudo, fez bem para sua vida. “Acredito que foi muito mais legal e vantajoso do que prejudicial, no sentido de enfrentar preconceito por ser panicat. Me deram a oportunidade de vencer a timidez que eu tinha, era um desafio.”

Mas é claro, a ex-panicat conta que já enfrentou difíceis momentos, “Todo o tempo em que eu fiquei no Pânico tinha um cachê de R$ 100 por gravação externa e pela participação no programa ao vivo. Não existia salário, não sei como é atualmente, mas foram quatro anos recebendo isso. Não dava para pagar minha faculdade, era bem complicado.” Ela teve até mesmo que pedir para produtores do programa Pânico barrarem investidas de alguns homens, “Infelizmente, tem os caras babacas, que acham que porque você trabalhou de biquíni na TV vai topar qualquer proposta. Chegou muita coisa absurda”, revela.

PUBLICIDADE

Depois de viver tudo isso, Tânia lamenta que o programa tenha ficado pior do que em seu tempo. Atualmente, por exemplo, existe um quadro chamado “Largadas e Peladas”, no qual as assistentes de palco são obrigadas a ficar nuas e fazer provas que sofrem muitas críticas, como carregar polvos e rãs na bola.

Tânia Oliveira
Tânia Oliveira abre o jogo sobre pânico e sobre câncer

A ex assistente de palco ficou no programa humorístico entre 2005 e 2008, enquanto tinha que se virar para pagar sua faculdade de educação física. Mas é claro, muito do que Tânia tem é fruto da fama que conseguiu na atração. Ela revela que em 2006 fez um ensaio para a Playboy, e com isso conseguiu pagar grande parte de sua faculdade e também de um carro.

O câncer em sua vida

A vida seguiu depois do programa, Tânia trabalhava com personal e também era madrinha da escola de samba Dragões da Real e rainha de bateria na União da Ilha. Ela só não esperava que em 2016 tudo ruiria. Tânia descobriu um câncer de tireoide e seu médico disse que ela precisaria de uma cirurgia.

Apesar de tudo isso, ela conta que viu com bons olhos sua doença. “É um choque quando você recebe o diagnóstico, mas a doença pra mim foi um divisor de águas, passei a valorizar muito mais outras coisas da vida. Foi ótimo. Minhas amigas brigam comigo, ‘Credo, você fala que foi ótimo ter tido um câncer’. Falo, passei a enxergar a vida com outros olhos. Sou outra pessoa depois do câncer, aprendi muito”, afirma.

Superação

Ex-panicat
Tânia conta que adora sua profissão e que está feliz

Tânia diz que não precisou fazer quimioterapia, apenas faz consultas ao psicólogo e ao endocrinologistas. Depois de vencer o câncer, ela revela que passou a se dedicar totalmente à sua profissão. A ex-panicat abriu um estúdio de treinamento funcional e está adorando viver nesse “mundo”.

Fotos: Reprodução Internet

Fonte: UOL

POSTS PATROCINADOS