De acordo com os médicos, esse é o tempo que você deve esperar entre cada gravidez


PUBLICIDADE
Engravidar pouco tempo após um parto pode trazer riscos a sua saúde e também a do seu bebê

Esperar 18 meses entre as gravidezes reduz os riscos para a saúde da mãe e do bebê, de acordo com uma extensa pesquisa publicada na JAMA Internal Medicine.

“Nosso estudo descobriu um aumento nos riscos para a mãe e a criança quando as gravidezes estão próximas, inclusive para mulheres com mais de 35 anos”, disse a principal autora, Laura Schummers, em um comunicado. “As descobertas para mulheres mais velhas são particularmente importantes, já que elas tendem a espaçar mais a gravidez e, muitas vezes, fazem isso intencionalmente.”

PUBLICIDADE

Em geral, engravidar em menos de 18 meses após o parto resulta em gestações de risco para mulheres de todas as idades. Mães que tinham 35 anos ou mais viram riscos à sua saúde pessoal, enquanto mulheres de todas as idades viram riscos para a criança, sendo a maior entre 20 e 34 anos.

O cantor, Gusttavo Lima, e sua esposa engravidaram 7 meses após o nascimento do primeiro filho do casal.
Fonte: Extra Globo

Para avaliar como o espaçamento da gravidez pode ser afetado pela idade da mulher, os pesquisadores analisaram quase 150.000 registros médicos canadenses para mães e bebês, incluindo registros de nascimento, códigos de faturamento, dados de hospitalização, informações sobre infertilidade e registros de recenseamento para encontrar ligações entre mortalidade materna. Eles descobriram que intervalos menores que 18 meses estão associados a um risco maior de resultados adversos na gravidez.

As mães com 35 anos ou mais que conceberam seis meses após o nascimento tiveram um risco de 1,2% (12 casos por 1.000 gestações) de mortalidade materna ou morbidade grave e uma chance de 6% de dar à luz prematuramente. A espera de 18 meses reduziu esse risco para apenas 0,5% e quase metade, respectivamente.

Mulheres de 20 a 34 anos que conceberam seis meses após o parto tiveram um risco de 8,5 por cento de parto prematuro, enquanto as que esperaram 18 meses viram o risco cair em quase 5 por cento.

Os autores dizem que seu trabalho confirma que existem diferentes riscos à saúde para diferentes faixas etárias. Os resultados são especialmente úteis e encorajadores para as mães mais velhas que planejam suas famílias, no entanto, o maior risco para as mulheres mais jovens talvez reflita a falta de informação sendo utilizada quando se trata de planejamento familiar.

“O curto espaçamento entre gestantes pode refletir que essas gestações não foram planejadas, particularmente entre mulheres jovens”, disse a médica Sonia Hernandez-Diaz, professora de epidemiologia na Harvard T.H. Chan Escola de Saúde Pública.

“Se os riscos elevados se devem ao fato de nossos corpos não terem tempo de recuperação se engravidarmos logo após o parto a recomendação pode ser a mesma: melhorar o acesso à contraceptivos pós-parto ou evitar relações sexuais desprotegidas com um parceiro masculino após um parto.”

Fonte: IFLS

POSTS PATROCINADOS