Conheça o homem que salvou mais de 2 milhões de bebês doando seu sangue


Homem doa sangue
Homem doa sangue
PUBLICIDADE

Doar sangue é um ato de generosidade capaz de salvar diversas pessoas. Mesmo assim, no Brasil, apenas 1,8% da população doa, de acordo com dados recentes. Uma única doação pode salvar até quatro pessoas, por exemplo. A meta da OMS – Organização Mundial de Saúde, é de que esse número suba para 3%.

As campanhas para incentivar o ato são diversas e quanto mais sensibilizar as pessoas, mais efetivas se tornam. James Harrison não é brasileiro e sim australiano, mas o que ele tem feito durante toda a vida é de capaz de inspirar o mundo todo. Com apenas 14 anos, em 1951, ele precisou remover um de seus pulmões. Para sobreviver, os médicos realizaram transfusões de sangue em James:

PUBLICIDADE

Homem doa sangue

“(Meu pai) disse que eu tive 13 unidades de sangue e minha vida foi salva por pessoas desconhecidas”, explicou à CNN.

Promessa:

Como ele foi salvo graças à doadores de sangue, decidiu que a partir desse dia faria o mesmo. Quando ele começou essa prática, a Austrália vivia uma crise, com muitos bebês nascendo mortos ou com danos cerebrais. Os médicos descobriram que uma doença do sangue estava fazendo com que o sistema imunológico das mães grávidas atacasse seus filhos antes do nascimento.

Pouco depois, após pesquisas, os especialistas perceberam que um anticorpo específico poderia salvar esses bebês. E adivinha qual doador tinha esse anticorpo? Isso mesmo, James! Ele foi abordado pelos médicos em 1960 e rapidamente concordou em participar do Programa Anti-D. Ele era um esforço de pesquisa dedicado a salvar esses bebês em risco. James continuou doando sangue toda semana até esse ano.

Homem doa sangue

“Seu sangue é realmente usado para fazer um medicamento que salva vidas, dado a mães cujo sangue corre o risco de atacar seus bebês em gestação. Cada lote de Anti-D que já foi feito na Austrália veio do sangue de James. E mais de 17% das mulheres na Austrália estão em risco, então James ajudou a salvar muitas vidas ”,  disse à CNN Jemma Falkenmire, do Serviço de Sangue da Cruz Vermelha Australiana.

Homem doa sangue

Fim das doações

Foram cerca de 2,4 milhões de vidas salvas. Agora, ao chegar aos 81 anos, idade máxima para doação no país, realizou sua última doação nesse mês de maio. Seu desejo? Que outras pessoas continuem fazendo o que começou. Que mais pessoas entendam a importância desse ato e se inspirem na história de James.

Foto: Reprodução/ Facebook

Fonte: Liftable

POSTS PATROCINADOS