Policiais param e algemam negro em show do Coldplay. Mas ele tem sua vingança dias depois


PUBLICIDADE

Que o racismo está presente em nosso dia a dia todos nós sabemos. Afinal, mesmo com tanto combate a esses preconceitos, ele ainda rola solto no Brasil.

E isso aconteceu durante um show do Coldplay quando Gabriel, um homem negro, que esperava pelo tão esperado momento. Tudo rolou depois de duas mulheres brancas reclamarem que ele estava ”na frente delas”. O que a polícia entendeu, na realidade, foi que ele não deveria estar lá, mesmo com o ingresso em mãos.

Uma das amigas de Gabriel, Helena Vasconcellos, resolveu falar sobre o assunto.

PUBLICIDADE

homem negro show
Policiais impedem que homem negro consiga entrar em show do Colplay

“As minas foram reclamar que ele (e elas) e todo mundo estava em pé no vão das escadas (como todo mundo faz nas cadeiras superiores pq tem superlotação), e chamaram a PM porque ele estava na frente delas, porém o tiro saiu pela culatra, pois a PM retirou todos das escadas. Quando a PM foi embora, todos voltaram, e pasme, só o negro foi preso. Começaram a puxar ele pelo braço pra sair, ele disse que não ia sair pq pagou o ingresso e Coldplay é a banda da vida dele.

O policial insistiu e daí virou o show de horror que temos gravado, documentado e noticiado. Os policiais chamaram ele de “neguinho de merda”, e insinuaram que plantariam drogas nas coisas dele se ele não baixasse a cabeça e pedisse desculpas. A alegação foi desacato à autoridade, pq ele ficou chateado de ser o único a ter que sair do show, e não queria sair, com toda razão! Quem não ficaria puto? Mais empatia, por favor.”

Porém, as coisas não ficariam por isso mesmo. Pelo contrário. A outra amiga dele, Ana Rodrigues, decidiu fazer um post pedindo para que as pessoas o ajudassem a ir ao show em Porto Alegre.  “As providências legais já haviam sido tomadas, mas o sonho dele continuava esperando pra ser realizado”, disse.

Rapidamente, uma rede de solidariedade começou e as pessoas conseguiram não só a passagem, mas também o ingresso dele.

”Por meio do Iata Anderson Brandão Alves, piloto da Azul Linhas Aéreas Brasileiras, conseguimos emitir o bilhete de ida do Gabs pra POA. Foi um trabalho em equipe. O único voo disponível chegava às 22:46, então mais amigos entraram e conseguimos remarcar pro das 6:10 da manhã de hoje. Mas a passagem era de stand by, e todos os voos de Campinas pra POA estavam lotados.

Foi então que entraram mais dois anjos na história: Mariana e Elisa, agentes do aeroporto de Viracopos.
Ele foi reconhecido na fila, e os passageiros do voo já estavam planejando escondê-lo no bagageiro pra ele chegar, mas ele pegou. Pegou o último lugar, no voo das 9:30h pra POA. Entrou no avião e foi recebido com comemoração de todos os passageiros!”.

Por fim, a menina quis fazer um agradecimento especial a companhia aérea. “Eu queria deixar o meu agradecimento especial a essa equipe maravilhosa da Azul, que provou da melhor maneira possível que, apesar do nome, cor é o que menos importa nesse mundo. Se temos amor, solidariedade e principalmente humanidade, as distâncias ficam pequenas. Principalmente a distância entre as pessoas. Deixo aqui os nomes dos funcionários que tanto nos ajudaram:
Iata Anderson Brandão
Mariana Tonin Moscardini
Elisa Oliveira Aparecido
Base MCZ”

Veja como o Gabriel ficou feliz por ter conseguido realizar o sonho:

Queria começar o texto de hoje com um trecho de Yellow, do Coldplay:“Your skin, oh yeah your skin and bones… Turn…

Posted by Ana Rodrigues on Saturday, November 11, 2017

Por fim, fica a lição para todos. Segundo a própria Helena afirmou, “O bem vence o mal, e tem muito mais gente boa no mundo do que gente má e truculenta! (…) Estou transbordando! Gratidão a toda a corrente do bem, a todos que proferiram palavras de apoio e torceram por nós! E pra quem duvidou da gente ou destilou ódio, desejo luz pra vocês pois vocês precisam!”.

Fotos: Reprodução.

Fonte: Razões para Acreditar.

POSTS PATROCINADOS

Beatriz Ponzio

Jornalista, introspectiva, criativa, sensível, sonhadora, apaixonada por dança e pela vida.