PUBLICIDADE

Antes de qualquer coisa, algumas imagens abaixo podem ser fortes ou incômodas.

A história do cãozinho Stinger (Ferrão, em tradução literal), faz muito jus a seu apelido. Surdo, o pobrezinho foi abandonado de forma cruel por seus donos após sofrer com algo ainda pior do que o abandono ou a surdez em si: atacado por um enxame de abelhas, o animal foi vítima de mais de 1000 picadas.

Após o ataque, a situação do pet era muito complicada. Ferido e repleto de infecções, sua vida estava em risco e ele precisava de cuidados médicos urgentes. O cãozinho estava muito fraco e assustado e foi despejado em um abrigo.

Carri Shipaila, responsável pelo local, conta que Stinger foi encaminhado a seu abrigo após uma equipe de veterinários, pasmem, desistir de seu caso. Foi alegado que nas condições que o cão se encontrava, ele não poderia ser tratado e o único caminho a seguir era o da eutanásia, pois mantê-lo vivo o deixaria exposto a muitas doenças.

No entanto, Carri, ao ver de perto a situação do cachorro, decidiu que não estava disposta a abrir mão de sua vida: "No minuto em que recebi o telefonema sobre Stinger, entrei no carro e dirigi mais de uma hora para a clínica. E quando o vi, eu sabia que ele precisava de nós, independentemente do quanto fosse custar", conta a responsável pelo abrigo LuvnPupz.

Desde 2014, o trabalho realizado no LuvnPupz é notável. Mais de 700 animais já foram acolhidos e ajudados e desistir de algum caso estava fora de cogitação para a equipe do local.

Durante 30 dias, Stinger passou por cuidados constantes. Esse era o período que seus donos tinham para pegá-lo de volta, porém eles nunca apareceram.

Como consequência das picadas, Stinger desenvolveu uma infecção de pele secundária e sarna sarcóptica, doença causada por um ácaro parasita.

Além disso, o animalzinho acabou sofrendo com uma doença chamada pênfigo, uma grave e rara enfermidade autoimune caracterizada pelo surgimento de bolhas na pele. E o pior, é que por causa da doenças, que exigem altos gastos para serem tratadas, principalmente o pênfigo, o pobre pit bull não é adotável. Embora tivesse sido tratado, ele carregará ainda algumas sequelas do ataque das abelhas.

Contudo, mesmo após todas as dificuldades enfrentadas, nem tudo estava perdido para o dócil Stinger. Ele não poderia ser adotado, mas Carri, em hipótese alguma, estaria disposta a abandoná-lo.

Agora, o abrigo será seu lar permanente, onde o cãozinho será acompanhado sempre de perto e os voluntários serão a sua mais nova família.

Com orgulho, Carri fala do quanto seu trabalho e dos voluntários faz a diferença na vida dos animais. Quando não estão trabalhando em seus outros empregos, todos voltam seus corações e almas para o resgate desses pobres animais indefesos.

Fotos: Caters News Agency

PUBLICIDADE